Etiquetas

, , ,

Ao longo dos últimos anos, quase a cada semana, o euro é dado por morto e em seguida apresentado como saudável pelos numerosos analistas que se supõem experts em economia mundial e escrevem sobre o tema. A moeda, cuja crise afeta o projeto União Europeia, mostra ao mesmo tempo fragilidade e poder de resistência. Seu futuro é difícil de prever, tanto quanto é complexo o mecanismo produtor do abalo que a atormenta. John Mauldin, um des experts citados, colunista do New York Times, publicou matéria curiosa sobre o assunto. Ele soma sua voz à dos reacionários em seu país que a todo custo querem sacrificar em benefício do lucro capitalista o que resta da seguridade social na Europa. Também ignora que a crise na Europa foi precedida e em grande parte provocada pela crise da especulação frenética que se apossou do sistema financeiro nos EUA e explodiu em 2008. Mais basicamente, não cogita de que a crise do euro seja um momento da crise geral do capitalismo. Não obstante essas e outras falhas fundamentais, ele levanta aspectos interessantes do processo. Ver o texto original aqui e a tradução de Milton Nogueira a seguir.

 

New York Times

And Then There Is Disaster C

By John Mauldin | Aug 11, 2012

They say that breaking up is hard to do.
Now I know, I know that it’s true
Don’t say that this is the end.
Instead of breaking up
I wish that we were making up again.
– Neil Sedaka, 1962

I have contended for some time that Europe is faced with two choices: Disaster A, which is the break-up of the eurozone, or Disaster B, which is the creation of a fiscal union, which keeps the euro more or less intact. Over the last few months I have come to realize that there is indeed a third option, which now looks increasingly possible. This is rather sad, as the third option is just an even worse Disaster C. Each choice carries with it its own unique set of problems, but the outcome of any of the choices will be that the people of Europe face a serious recession, if not a depression. This will impact global growth for more than a short time and, depending on the choice, could plunge the world into a crisis as bad as or worse than the recent credit crisis. In today’s letter we look at all three choices, meanwhile musing on how we arrived at the bottom of such a deep hole, shovels flailing.

Breaking Up Is Hard to Do

“Breaking Up is Hard to Do” was written and sung by Neil Sedaka. It was a #1 hit exactly 50 years ago this week. And while that song was written for a different era, it could be the theme song for much of Europe today.

“Don’t say that this is the end. Instead of breaking up, I wish that we were making up again.”

And indeed Europe is quite the dysfunctional family, seemingly always on the verge of breaking up, but somehow managing to patch up the differences. We all have a family member (or two or three) who cause that sort of trouble. We watch the incessant squabbling with unease, wishing they would just settle things and move on. They never deal with the real issues, as that would mean facing too much personal angst and maybe even lead to an admission that the problem is not just with the other party. The euphoria of the initial relationship has been lost in the reality of day-to-day existence. Now, they either sort it out or break up.

These sorts of relationships devolve into co-dependency, where no one is happy. And the rest of us are liable to get sucked in. Even though it’s uncomfortable to be around these people, we still have to interact. But don’t you wish they would get some serious therapy?

And Europe was again acting out this week. First, Italian Prime Minister Mario Monti gave an interview to Der Spiegel, in which he warned of the disintegration of Europe if the European Union allows the euro to fail: “The tension which sprang up in the eurozone in recent years is beginning to look like Europe’s psychological disintegration.”

Remember, Monti was a compromise prime minister, brought in by a parliament wracked by chaos, in the wake of Berlusconi’s withdrawal. But alas, the latter party refuses to slink off quietly into the night with his billions and personal peccadilloes. Monti was appointed rather than elected and is a “technocrat” prime minister. Given the nature of Italian politics, he has done about as well as could be expected. He has an outstanding resumé and is part of the Europhile elite that defends the vision of a united Europe.

The interview itself was mostly the standard-issue political noise emitted from European centers of power. It would have gone unnoticed except for one little item. The Italian prime minister suggested that the heads of the EU national governments make decisions independently from their countries’ parliaments.

“If the governments are tied by their parliaments’ decisions, the lack of freedom of action will result in Europe’s breakdown, rather than deeper integration …”

Was the prime minister not listening to what he was saying? Let me paraphrase for him: “How can we keep the euro together if we have to listen to those pesky parliaments, elected by actual voters?” And he says this prior to the German Constitutional Court ruling on September 12, when most of the German leadership is treading lightly, assuming a “positive” outcome but knowing that nothing is certain? And he does this in one of Germany’s leading publications? Maybe there’s a reason he has never actually run for office. This bonehead statement must have chagrined even his most ardent supporters.

It certainly brought quick responses all over Europe, and especially in Germany.

“German politicians from across the spectrum have reacted furiously to warnings by Italy’s Mario Monti that Bundestag control over EU debt policies threatens to bring about the ‘disintegration’ of the European project. ‘We must make it clear to Mr. Monti that we Germans will not shut down our democracy to pay Italian debts,’ said Alexander Dobrindt, secretary-general of Bavaria’s Social Christians (CSU).” (Ambrose Evans-Pritchard, the Telegraph)

In the time-honored tradition of political spin and “clarification,” Mario Monti almost immediately went back before the press to insist that the words he spoke were not the ones he meant.

The Italian paper Il Libero ran a front-page photo of Angela Merkel, under the headline “The Fourth Reich.” And it gets a lot worse if you start looking.

But just to show off my own ecumenical nature, let me point out that German leaders have their own set of issues. Mainly, they simply have not told the German people what the costs of staying in the eurozone or leaving it are.

In past weeks we have looked at the two major options Europe faces. Let’s call them Disaster A and Disaster B. Disaster A ensues if they decide on a close fiscal union, which will entail giving up substantial national sovereignty (although it will not be sold that way to the voters). It would also mean that the northern states (Germany, the Netherlands, et al.) would have to shoulder large tax burdens in order to share with their southern neighbors and pay for the massive debts they have run up.

Of course, Germany helped create the problem, with its Landesbanks enthusiastically financing the various and sundry debt issues of the peripheral governments and their citizens. Note that when the German government revoked its guarantee of the Landesbanks (regional banks), their cost of borrowing rose significantly. The banks began to “reach for yield,” buying not only US subprime debt (which bankrupted a few of them) but also huge amounts of peripheral European sovereign debt.

The entire Greek bailout was really about using “European” taxpayer money to pay off German and French bank debts. Ditto for the other early bailouts. Now we are down to saving the euro (with the Spanish bailouts), which is an even more costly proposition.

Sidebar: ECB President Draghi famously remarked a week ago that he was prepared to do “whatever it takes” to save the euro, a message that was echoed by Merkel, Monti, and Hollande over the next few days. Then we found out, a week later, that “whatever” did not include using EFSF money to buy Spanish bonds (at least for now and until the German Constitutional Court ruling on September 12). Care to place a bet on what happens after that ruling? I bet there will be a compromise of some sort, to allow the EFSF or the ECB to fund. Draghi did say, after all, that he was simply waiting for a formal request before committing funds. And Spanish PM Rajoy is waiting until September 12, as well, perhaps because he wants to find out exactly what he will be agreeing to if he asks for help.

There is an unwritten rule in legal and political proceedings: never ask a question if you don’t already know the answer. If Spain asks for a bailout and then, for whatever political reason, cannot actually abide by the austerity rules, then that would be worse than not asking.

But it is not just northern (German) taxpayers who will be hurt. Southern-tier countries will have to endure serious austerity measures in order to get the money, which will mean even higher unemployment and deeper recessions – if not depressions. There is no free lunch.

And then there’s Disaster B: the break-up of the eurozone, one way or another. Maine fishing buddy Josh Rosner included this graphic from Der Spiegel in a very impressive report he sent me on the cost to Germany of either leaving or staying in the euro (and which I posted here for Over My Shoulder subscribers). He demonstrates that it is actually much more costly for Germany to leave the euro. He also agrees with me that German leaders are not telling their people what the costs of either option are.

Note that no country does well in a break-up. But the outcomes vary, as some see serious inflation and others see deflation, while all see unemployment rise significantly.

 

I also note that 56% of Germans want their government to “do everything” to save the euro, with 76% saying a euro break-up would be bad for Germany. In addition, 64% of Germans believe the euro will survive, though 84% think the crisis will worsen, and 56% worry that the economy will deteriorate next year. Finally, 70% believe Merkel is doing a good job. (Source: Bloomberg, reporting on an ARD TV poll)

And Then There Is Disaster C

There is yet a third option that may be turning into the choice du jour. And that is, rather than opting in a straightforward manner for either fiscal union and a eurozone-wide backing of banks, etc., or a break-up of some sort, European leaders might do nothing more than deal with the problem immediately in front of them, moving from crisis to crisis in a slow-motion drift toward fiscal union.

To detail what a real fiscal union would mean and cost, you end up having to ask voters to approve something, and European leaders just don’t know what they will say. What if they say no, nein, non, não, ochi, nee, neen, cha toigh leam, or ei? There are so many ways to say “no” in Europe.

Which is why Mr. Monti is frustrated with the whole parliamentary process of dealing with the euro crisis. It all gets so very messy when you have to explain to voters exactly why and how much they should pay for your personal vision of their future. “If the governments are tied by their parliaments’ decisions, the lack of freedom of action will result in Europe’s breakdown, rather than deeper integration.” This is not unlike someone telling a Russian president to be patient because he will have more flexibility after the election. Just saying.

Who Do You Trust?

The European Union is a rather odd creature. It has a parliament that is widely seen as a joke, with the real work being done by various commissions appointed by national leaders and perhaps ratified by the EU parliament. From my reading, most Europeans are anti-Brussels as opposed to anti-euro. They see Brussels as a creation of bureaucracy.

They expect their own national governments to do the hard work of governing and to protect them from the worst of the European issues. They would be reluctant to give up their national sovereignty in the same manner as the states have in the US.

And if you go back to the founding of the US, you see that modern European attitudes are not at all different from what 18th-century Americans felt about Washington DC. Washington the man was more important than most now realize, as he gave the early government much of its legitimacy. The competing visions of Jefferson and Hamilton and the rest of the founding fathers led to some serious disagreements and public dissension. The election of 1800 was perhaps the most bitter and contentious one in US history, far nastier than today’s (“If Jefferson is elected all the churches will be shut down,” etc). And then there was that little dispute over states’ rights that came to a boil in 1860.

If politicians in 1792 had tried to sell voters on a full fiscal union as a reason to vote for the Constitution, we might still be debating the Articles of Confederation today.

And that is the crux of the problem that Europe. The costs of choosing either break-up or a fiscal union are so high and fraught with contention that to ask voters to choose with full knowledge of the costs would be to ask the question and not know the answer.

So why not choose fiscal union light? Rather than trying to reach the finish line in one huge leap, why not take a series of smaller steps? Let the pot heat slowly, rather than bringing it to a boil quickly. Like the proverbial frog, by the time European voters notice how hot it is, it will be too late to jump out.

But the hitch is, that might be the most costly route in the long run. It would mean bouncing from crisis to crisis, with each crisis costing more to resolve – but just not enough to make everyoone walk away. The longer the process is drawn out, the more expensive it will be.

We know about Spanish and Italian problems. What European leaders have not recognized (and indeed most of the world hasn’t, from what I see) is that France is the real problem. France is careening toward a dénouement of biblical proportions. Within a few years it will be just as problematic as Spain is today. France is in deep, deep foie gras.

Germany thinks it has an AAA debt partner for its guarantees of European debt in the EFSF, ESM, etc. It does today, but France will soon lose that AAA rating, absent significant changes that are not going to be forthcoming under Hollande and the Socialists. It could happen as early as September, although I doubt Moody’s or S&P will move before the German Constitutional Court ruling on the 12th – unless of course they really want to demonstrate their independence of thought from the political considerations of the moment!

And that ratings cut will just be the first of many. France is in the process of raising taxes on “les riches,” or those making over €1 million, to a nose-bleed 75%. Why stay in France when you can move, pay lower taxes, and visit when you want to? The new law will end up lowering, not raising tax collections, as has been shown by recent state tax hikes on the rich in the US. People vote with their feet.

In France it is not just the tax on the rich that is leading to trouble but so many other actions, like lowering the retirement age to 60, even though people are living longer and there are fewer people paying into the system as the nation ages. France has a near-term entitlements problem at least as severe as the US’s, but government spending is already at 55% of GDP.

By the time France becomes the clear problem, European voters will have committed so much to the process that to walk away will be far more costly than it would be today. Unless Merkel can somehow convince Hollande to really cut social spending dramatically in the coming years, the day of reckoning will arrive. And how has the deficit-cutting approach worked out for Spain, Greece, et al.? For that matter, Germany is in violation of the treaty deficit rules.

My guess: it will be Disaster C, which will mean a longer and more pronounced recession cum depression for much of Europe. And there could be mass public movements to leave the euro in any number of nations. While there is nowhere near a majority for that move in any country in any poll I have seen, it is a growing minority.

As part of this save-the-euro process, I fully expect that at some point there will be a mechanism that allows the ECB to monetize debt and buy peripheral bonds on a very large scale. We are talking multiple trillions of euros, as once you start that process you must continue it until the target country has gotten its deficit under control and is growing again. Whether it is the ESM becoming a bank or being allowed to issue bonds that the ECB can then use as collateral, or any of several schemes being proposed, the only real source of adequate firepower is the ECB. Sooner or later, the Germans will have to let the ECB off its leash, and that will not be good for the euro. And most definitely not when it is France with the problem.

The corollary to this view is that the euro problem will not go away for years. We will get euro fatigue, like Greek fatigue but writ larger. As in the days of my youth, this is going to be like a very long road trip across the country in a car with no air conditioning in the middle of summer, with three young kids and a cranky mother-in-law. Stay tuned.

_____________

E aí, temos o Desastre C

Tenho sustentado por algum tempo que a Europa se depara com duas opções: o Desastre A, que é ruptura da zona do euro, ou o Desastre B, que é a criação de uma união fiscal, que mantém o euro mais ou menos intacto. Ao longo dos últimos meses, passei a perceber que realmente existe uma terceira opção, que agora parece cada vez mais possível. Isso é bem triste, vez que a terceira opção é apenas um desastre ainda pior, C. Cada escolha carrega consigo seu próprio conjunto de problemas, mas o resultado de qualquer uma das opções será que o povo da Europa enfrenta uma grave recessão, senão uma depressão. Isso vai impactar o crescimento global durante mais de um curto período de tempo e, dependendo da escolha, pode mergulhar o mundo numa crise tão ruim quanto ou pior do que a recente crise de crédito. Na carta de hoje olhamos para todas as três opções, refletindo entretanto sobre como chegamos ao fundo do tal buraco profundo, cavando com pás.

Breaking Up Is Hard to Do [“Romper é difícil de fazer”] foi escrita e cantada por Neil Sedaka. Foi a canção mais ouvida na semana há exatamente 50 anos. E, embora essa canção seja escrita para uma era diferente, ela poderia ser a música-tema para grande parte da Europa hoje.

“Não diga que este é o fim. Em vez de dividir, eu desejo que nós estávamos fazendo de novo.”

E na verdade a Europa tem muito de uma família em crise, aparentemente sempre à beira da ruptura, mas de alguma forma conseguindo consertar as diferenças. Nós todos temos um membro da família (ou dois ou três) que têm esse tipo de problema. Assistimos à disputa incessante com desconforto, desejando que eles simplesmente resolvem as coisas e sigam em frente. Eles nunca lidam com os problemas reais, porque isso significaria enfrentar muita angústia pessoal e talvez até mesmo levar a uma admissão de que o problema não é apenas com a outra parte. A euforia da relação inicial foi perdida na realidade do dia-a-dia existência. Agora, eles ou resolvê-lo ou romper.

Esses tipos de relacionamentos transformam-se em codependência, onde ninguém é feliz. E nos, de fora, corremos o risco de ser sugados para dentro. Mesmo que seja desconfortável estar perto dessas pessoas, ainda temos que interagir. Mas você não gostaria que eles pudessem receber algum tratamento sério?

E a Europa foi ao palco mais uma vez esta semana. Primeiro, o primeiro-ministro italiano Mario Monti deu uma entrevista ao Der Spiegel, em que alertou sobre a desintegração da Europa, se a União Europeia permitir a falência do euro: “A tensão que surgiu na zona do euro nos últimos anos está começando a parecer desintegração psicológica da Europa.”

Recorde-se, Monti foi um primeiro-ministro de compromisso, trazido por um parlamento devastado pelo caos, no despertar da retirada de Berlusconi. Mas, infelizmente, este último a se recusa a escapar tranquilamente pela noite com seus bilhões e pecadilhos pessoais. Monti foi nomeado antes que eleito e é um primeiro-ministro “tecnocrata”. Dada a natureza da política italiana, ele agiu tão bem quanto se poderia esperar. Tem um currículo excelente e faz parte da elite eurófila que defende a visão de uma Europa unida.

A entrevista em si foi na maior parte do tipo falatório padrão sobre política emitido por centros europeus de poder. Ela teria passado despercebida, a não ser por um pequeno item. O primeiro-ministro italiano sugeriu que aos chefes dos governos nacionais da UE tomar decisões de forma independente dos parlamentos dos seus países.

“Se os governos estão atados por suas decisões aos parlamentos nacionais, a falta de liberdade de ação irá resultar no colapso da Europa, e não numa integração mais profunda …”

O primeiro-ministro não ouviu o que estava dizendo? Deixe-me parafrasear o seu dito: “Como podemos manter o euro juntos, se temos de ouvir esses infames parlamentos, eleitos por reais eleitores?” E ele diz isso, antes da decisão do Tribunal Constitucional alemão em 12 de setembro, quando a maioria dos líderes alemães está pisando de leve, supondo um resultado “positivo”, mas sabendo que nada é certo? E ele faz isso de uma das principais publicações da Alemanha? Talvez haja uma razão paa ele nunca tenha concorrido para um cargo. Essa declaração tola deve ter decepcionado até mesmo seus mais ardentes defensores.

Ele certamente suscitou respostas rápidas em toda a Europa, e especialmente na Alemanha.

“Os políticos alemães de todo o espectro reagiram furiosamente para avisos por Mario Monti, da  Itália, que o controle do Bundestag sobre as políticas da dívida da União Europeia ameaçam trazer a” desintegração” do projeto europeu. “Temos de deixar claro ao Sr. Monti que nós alemães não derrubaremos a nossa democracia para pagar dívidas de italianos”, disse Alexander Dobrindt, secretário-geral dos cristãos Sociais da Baviera (CSU). “(Ambrose Evans-Pritchard, do Telegraph).

Na tradição consagrada pelo tempo de rotação política e “esclarecimento”, Mario Monti quase que imediatamente voltou diante da imprensa para insistir em que as palavras que disse não expressavam o que ele pensava.

O jornal italiano Il Libero publicou uma foto de primeira página de Angela Merkel, sob o título “O IV Reich.” E fica bem pior se você começar a olhar.

Mas, apenas para mostrar minha própria natureza ecumênica, deixem-me apontar que os líderes alemães têm seu próprio conjunto de problemas. Principalmente, eles simplesmente não disseram ao povo alemão quais são os custos de permanecer na zona do euro ou deixá-la.

Na últimas semanas, vimos as duas principais opções que a Europa enfrenta. Vamos chamá-las de Desastres A e B. O Desastre A acontece se decidirem por uma estreita união fiscal, o que implica renunciar à substancialmente à soberania nacional (embora isto não venha a ser vendido desse modo  aos eleitores). Também significaria que os Estados do Norte (Alemanha, Holanda etc.) teriam de arcar com grandes encargos fiscais, a fim de compartilhar com seus vizinhos do sul e pagar as enormes dívidas que eles acumularam.

Claro, a Alemanha ajudou a criar o problema, com os seus Landesbanken a financiar com entusiasmo emissões de dívida de vários e diversos governos periféricos e respectivos cidadãos. Observem que, quando o governo alemão revogou a sua garantia dos Landesbanken (bancos regionais), o custo dos empréstimos aumentou significativamente. Esses bancos começaram a “buscar rendimento”, comprando não só dívidas de subprime nos EUA (o que levou à falência alguns deles), mas também enormes quantidades de dívida soberana periférica europeia.

Todo o resgate grego era na verdade sobre como usar o dinheiro do contribuinte “europeu” para pagar as dívidas bancárias alemãs e francesas. O mesmo vale para os outros resgates anteriores. Agora nós estamos a caminho de salvar o euro (com os resgates espanhóis), que é uma proposta ainda mais cara.

Boxe: o presidente do BCE, Draghi, notificou há uma semana que ele estava preparado para fazer “o que for necessário” para salvar o euro, uma mensagem que foi ecoada por Merkel, Monti, e Hollande ao longo dos dias seguintes. Aí descobrimos, uma semana depois, que “o que for necessário” não inclui o uso de dinheiro do EFSF [European Financial Stability Facility] ou do ECB [European Central Bank] para comprar títulos espanhóis (pelo menos por enquanto e até a decisão do Tribunal Constitucional alemão em 12 de setembro). Cuidado para apostar sobre o que acontece após essa decisão? Aposto que haverá um compromisso de algum tipo, para permitir que o EFSF ou do ECB financiem. Draghi disse, afinal, que ele estava simplesmente à espera de um pedido formal antes de comprometer fundos. E o primeiro-ministro espanhol Rajoy está esperando até 12 de setembro, da mesma forma, talvez porque ele quer descobrir exatamente com o que ele estará concordando se pedir ajuda.

Há uma regra não escrita em processos judiciais e políticos: nunca fazer uma pergunta se não souber ainda a resposta. Se a Espanha pede um resgate e, em seguida, por qualquer motivo político, não pode realmente respeitar as regras de austeridade, então isso seria pior do que não perguntar.

Mas não os contribuintes apenas do norte (alemães) que vai se machucar. Países do sul terão de suportar graves medidas de austeridade, a fim de conseguir o dinheiro, o que significará desemprego ainda maior e recessões mais profundas – se não depressões. Não há almoço grátis.

E depois há o Desastre B: a ruptura da zona do euro, de uma forma ou de outra. Um amigo de pesca no Maine Josh Rosner incluiu um gráfico do Der Spiegel num relatório muito impressionante que me enviou sobre o custo para a Alemanha de qualquer saída ou permanência no euro (e que postei aabaixo). Ele demonstra que é realmente muito mais caro para a Alemanha a abandonar o euro. Ele também concorda comigo que os líderes alemães não estão dizendo a seu povo quais são os custos de cada opção.

Note-se que nenhum país se dá bem numa ruptura. Mas os resultados variam, quando alguns veem inflação séria e outros, deflação, enquanto todos veem aumento do desemprego de forma significativa.

Noto também que 56% dos alemães querem que seu governo “faça tudo” para salvar o euro, com 76% dizendo que uma ruptura com o euro seria ruim para a Alemanha. Além disso, 64% dos alemães acreditam que o euro vai sobreviver, embora 84% achem que a crise vai piorar e 56% temem que a economia vai se deteriorar no próximo ano. Finalmente, 70% acreditam que Merkel está fazendo um bom trabalho. (Fonte: Bloomberg, informando sobre uma pesquisa de TV ARD)

E aí, há o Desastre C.

Há ainda uma terceira opção que pode estar se tornando a escolha du jour. E que é, ao invés de optar de uma forma simples para qualquer união fiscal e um apoio da zona do euro a nível dos bancos etc., ou uma ruptura de algum tipo, os líderes europeus poderiam fazer nada mais do que lidar com o problema que está imediatamente à frente deles, movendo-se de crise em crise numa deriva lenta para a união fiscal.

Para detalhar o que uma verdadeira união fiscal significaria e custaria, você acaba tendo de pedir aos eleitores que aprovem algo, e os líderes europeus simplesmente não sabem o que dizer. E se os eleitores disserem, nein, no, ochi, nee, neen, não, cha toigh leam, ou ei? Há muitas maneiras de dizer “não” na Europa.

É por isso que o Sr. Monti está frustrado com todo o processo parlamentar de lidar com a crise do euro. Tudo fica tão muito confuso quando você tem de explicar aos eleitores exatamente por que e quanto eles devem pagar por sua visão pessoal do futuro deles. “Se os governos estão atados pelas decisões dos seus parlamentos, a falta de liberdade de ação irá resultar na degradação da Europa, ao não numa integração mais profunda.” Isso não é diferente de alguém dizer a um presidente russo que seja paciente, porque ele terá mais flexibilidade após o eleição [alusão a uma fala entreouvida de Obama ao representante russo]. Basta dizer.

Em quem você confia?

A União Europeia é uma criatura bastante estranha. Tem um parlamento que é amplamente visto como uma piada, com o trabalho real feito por várias comissões designadas pelos dirigentes nacionais e, talvez, ratificadas pelo Parlamento da UE. Na minha leitura, a maioria dos europeus são anti-Bruxelas, conquanto não sejam anti-euro. Vêem Bruxelas como uma criação da burocracia.

Eles esperam que os seus próprios governos nacionais façam o trabalho duro de governar e protegê-los do pior nos problemas europeus. Não estariam dispostos a abrir mão de sua soberania nacional, do mesmo modo como fazem os estados nos EUA.

E se você se voltar para a fundação dos EUA, verá que as atitudes europeias de hoje não são de todo diferente do que os americanos sentiram sobre Washington DC do século 18. Washington o homem era mais importante do que a maioria agora percebe, na medida em que ele deu ao governo no início muito de sua legitimidade. As visões conflitantes de Jefferson e Hamilton e os demais fundadores levou a alguns desentendimentos graves e a dissensão pública. A eleição de 1800 foi talvez a mais polémico e amarga na história dos EUA, muito pior do que hoje (“Se Jefferson for eleito todas as igrejas serão fechadas” etc.). E foi aquela pouca disputa sobre os direitos dos estados que começou a ferver em 1860.

Se os políticos em 1792 houvessem tentado vender aos eleitores uma plena união fiscal como razão para votar a favor da Constituição, poderíamos ainda hoje estar debatendo os Artigos da Confederação.

E esse é o ponto crucial do problema da Europa. Os custos de escolher qualquer ruptura ou uma união fiscal são tão altos e repletos de contenção que pedir aos eleitores para escolher com pleno conhecimento dos custos seria fazer a pergunta sem saber a resposta.

Então por que não escolher a união fiscal leve? Ao invés de tentar alcançar a linha de chegada com um salto enorme, porque não dar uma série de pequenos passos? Deixe o tacho esquentar a fogo lento, ao invés de levá-lo a ferver rapidamente. Como o sapo da fábula, no momento em os eleitores europeus perceberem o quanto é quente, vai ser tarde demais para saltar para fora.

Mas o x da questão é saber qual pode ser a rota mais cara no longo prazo. Isso significaria pular de crise em crise, com cada crise custando mais para resolver – mas simplesmente não o bastante para levar ninguém a dar no pé. Quanto mais tempo o processo for adiante, mais caro será isso.

Sabemos sobre os problemas espanhóis e italianos. O que os líderes europeus não reconheceram (e na verdade a maioria do mundo não viu, pelo que sei) é que a França é o problema real. A França está cambaleando em direção a um desenlace de proporções bíblicas. Dentro de alguns anos será tão problemática quanto a Espanha é hoje. A França está afundada, bem fundo, em foie gras.

A Alemanha acha que tem um parceiro de dívida AAA para as suas garantias de dívida europeia na EFSF, ESM [European Stability Mechanism], etc. Ela tem hoje, mas a França em breve perderá a classificação AAA, na ausência de mudanças significativas que não estão próximas sob Hollande e os socialistas. Isso pode acontecer já em setembro, embora eu duvide que Moody ou S & P vão se mexer antes da decisão do Tribunal Constitucional alemão no dia 12 – a menos é claro que eles realmente queiram demonstrar sua independência de pensamento diante de considerações políticas do momento!

E esse corte de avaliações será apenas o primeiro de muitos. A França está em processo de aumento de impostos sobre “les riches”, ou aqueles que ganham mais de € 1 milhão, com um soco no nariz de 75%. Por que ficar na França, quando você pode se mudar, pagar impostos mais baixos, e visitar o país quando quiser? A nova lei vai acabar diminuindo, não aumentando a arrecadação de impostos, como tem sido demonstrado pelo aumento de impostos estaduais recentes sobre os ricos nos EUA. As pessoas votam com os pés.

Na França não é apenas o imposto sobre os ricos que está levando a problemas, mas muitas outras ações, como redução da idade de aposentadoria para 60 anos, mesmo que as pessoas estejam vivendo mais e haja menos pessoas pagando à medida que a nação envelhece. A França tem um problema de títulos de curto prazo pelo menos tão grave quanto o do EUA, mas os gastos do governo já estão em 55% do PIB.

Quando a França se tornar o problema evidente, os eleitores europeus vão estar tão comprometidos com o processo que se afastar será muito mais caro do que seria hoje. A não ser que Merkel possa de algum modo convencer Hollande para realmente cortar dramaticamente gastos sociais nos próximos anos, o dia do acerto de contas chegará. E como foi a abordagem de corte de déficit para a Espanha, Grécia etc.? Nesse aspecto, a Alemanha está em violação dos tratados das regras de déficit.

Meu palpite: será o Desastre C, o que significa uma recessão cum depressão mais e mais pronunciada para grande parte da Europa. E não poderia haver movimentos de massa públicos para abandonar o euro, em qualquer nenhum de nações. Enquanto não há nada perto de uma maioria para movimento nesse sentido em qualquer país em qualquer pesquisa que eu vi, é uma minoria crescente.

Como parte desse processo de salve-o-euro, eu espero que em algum momento haverá um mecanismo que permita ao CEB monetizar a dívida e comprar títulos periféricos numa escala muito grande. Estamos falando de muitos trilhões de euros, pois, uma vez que você o inicia, esse processo deve continuar até o país de destino pôr seu déficit sob controle e estiver crescendo novamente. Se é o ESM tornando-se um banco ou sendo autorizado a emitir títulos que o BCE possa, então, usar como colateral, ou qualquer um dos vários esquemas que estão propondo, a única fonte real de poder de fogo adequado é o BCE. Cedo ou tarde, os alemães terão de deixar o BCE fora de sua coleira, e isso não será bom para o euro. E definitivamente não quando a França é que estiver com o problema.

O corolário dessa visão é que o problema do euro não vai desaparecer durante anos. Nós entraremos em fadiga do euro, como a fadiga grega, mas em grau maior. Como nos dias da minha juventude, isto vai ser igual a uma viagem muito longa através do país num carro sem ar-condicionado em pleno verão, com três filhos jovens e uma sogra de mal humorada. Fique ligado.